LEONARDO GARIBALDI

 

Nasceu no Sardoal em 1993. Em Lisboa desde 2008, estudou durante um ano o curso de apoio técnico psicossocial. No ano seguinte entra na Escola Profissional de Teatro de Cascais (EPTC) e termina o curso em 2012.

Depois da EPTC, funda a Inquietarte com Filipe Abreu, onde começa a encenar e produzir. Dirigiu D. Quixote e Sancho Pança (2013), e em 2014 O Cornudo Imaginário, sempre com actores amadores do GETAS (Sardoal) e um elenco de jovens actores.

Na Inquietarte, encenou o RAPE (2015/16), de Andre Neely, e a criou e encenou o espectáculo Youth (2018). Em 2016, faz assistência de encenação a Luis Miguel Cintra no espectáculo Música, de Franz Wedekind, no Teatro Municipal São Luiz e no Teatro do Bairro Alto. No Teatro da Cornucópia, foi actor no Recital Apollinaire.  Segue-se o espectáculo Um D. João Português, de Molière (2017) com encenação de Luis Miguel Cintra, onde trabalhou como actor durante as 4 fases de criacção e nas apresentações em Almada, Guimarães, Montijo, Setúbal e Viseu. Em 2018, faz assistência n’O Novo Mundo, um espectáculo d’Os Possessos, na Culturgest, e torna-se membro da companhia. Ainda em 2018, começa a trabalhar nos Primeiros Sintomas, onde já em 2019, faz assistência de encenação e produção no espectáculo Tio Vanya, com encenação de Bruno Bravo. Desde o espectáculo Youth que procura trabalhar em formas de começar um diálogo directo com os espectadores, de forma a que eles possam ser criadores do espectáculo que estão a assistir.

Com OS POSSESSOS

A BOLHA